Logo

Cripta

Cripta

Atendendo às diminutas dimensões da igreja existentes, foi decidido no ano de 1994, erigir um novo espaço muito próximo do primeiro, tendo sido entregue ao arquitecto Luís Cunha a preparação do projecto. A inauguração foi em 1998, ficando concluída, no ano de 2002. Em todo o edifício há uma ligação de simplicidade entre a construção civil e tudo o resto. O projecto contemplou grandes aberturas para o exterior facilitando o arejamento e o contacto com a natureza, de modo especial na zona nascente.
No claustro da cripta podemos observar, quatro extraordinárias estátuas de Santos Beneditinos, como S. Bernardo, Santa Escolástica, entre outros. Na entrada da Cripta encontram-se duas estátuas em bronze de linhas sóbrias e despojadas de S. Gregório Magno (Papa e Primeiro Biógrafo de S. Bento) e de S. Geraldo (Monge Beneditino e Arcebispo de Braga).

Dignos de uma observação atenta são os dez painéis de azulejos, pintados por Querubim Lapa, mestre ceramista que era também pintor e escultor, que tão bem retratam episódios da vida de S. Bento.

A VITÓRIA DO ESPÍRITO SOBRE A CARNE

No primeiro podemos o monge Romão a entregar comida a S. Bento, que durante 3 anos permaneceu isolado numa gruta, no Monte Subiaco a 60 quilómetros. de Roma, em oração e meditação. O lado direito deste painel chama a atenção para a importância da Ordem de Cluny no desenvolvimento da vida monástica.

Painel 01

A VITÓRIA DO ESPÍRITO SOBRE A CARNE

O segundo painel revela-nos a forma como S. Bento ultrapassa as tentações através do sacrifício (“lançou-se nú no meio de um matagal de espinhos”) e da oração. Esta faz parte essencial da vida dos monges e da “regra de S. Bento”.

Painel 02

O MILAGRE DA FOICE

O painel seguinte narra o episódio da foice, perdida no lago, e que foi recuperada por S. Bento: mergulhou o cabo da foice esta foi ao seu encontro, podendo assim, o monge continuar a trabalhar. O trabalho é um dos componentes da regra beneditina, a que se alude no lado direito deste painel.

Painel 03

O MILAGRE DO CORVO

O quarto painel apresenta dois episódios da vida do Santo. O primeiro, o episódio do pão envenenado e do corvo (Ver “O Santo”) e o segundo relacionado com a história da pedra que era impossível remover do local onde se encontrava (os monges atribuiram este facto á presença do demónio). Só com a intervenção de S. Bento, que lançou a sua benção sobre ela foi possível concretizar a sua remoção.

Painel 04

A VISITA DO FALSO TÓTILA REI

No painel seguinte está representado o encontro entre Tótila e S. Bento. Tótila, rei do Ostrogodos, que tomou e saqueou Roma em 547, tentou enganar o Santo, ordenando a um seu oficial que vestisse as suas roupas e se encontrasse com S. Bento, como se fosse o próprio rei. Mas foi imediatamente reconhecido e voltou para contar a Tótila o que tinha sucedido.

Painel 05

O MILAGRE DOS SACOS DE FARINHA

O sexto painel lembra o aparecimento sem se saber como, de duzentas medidas de farinha em sacas, à porta do Convento, quando a região da Campânia sofria uma grande escassez de alimentos e os frades passavam privações na sua alimentação. Do lado direito do painel aparece uma referência ao célebre Mosteiro de Einsiedeln, na Suiça, grande centro culturar e de grande importância na expanção do espírito beneditino.

Painel 06

OS PLANOS DO MOSTEIRO DE TERRACINA TRANSMITIDOS ATRAVÉS DO SONHO

A revelação dos planos para a construção do mosteiro de Terracina está retratada no painel seguinte. S. Bento envia frades para esta cidade com a finalidade de construírem um mosteiro e assegura-lhes que ele próprio lhes dará todas as informações necessárias. De facto, através de um sonho são revelados todos os planos de construção. O lado direito apresenta a “Regra”, onde se descrevem as acções e procedimentos dos monges e cuja divisa é “Ora et Labora”, Reza e Trabalha.

painel 07

ENTREVISTA DE S. BENTO COM A SUA IRMÃ ESCOLÁSTICA

O oitavo painel apresenta o último encontro de S. Bento com a sua irmã, Santa Escolástica, durante o qual se verificou o milagre da tempestade. Aos pedidos da irmã, para que este encontro se prolongasse, S. Bento reagiu negativamente. Sucedeu, porém, uma violenta tempestade, que impediu que o Santo regressasse ao Convento e deixasse a irmã. O lado direito do painel faz alusão à acção evangelizadora, dos portugueses no Brasil.

Painel 08

A VISÃO MILAGROSA DO MUNDO INTEIRO NUM RAIO DE LUZ

O quadro que se apresenta no painel seguinte, reflecte a visão protagonizada por S. Bento, quando, à noite, estando à sua janela, viu o mundo inteiro como que recolhido num único raio de luz e a alma do bispo de Cápua, Germano, ser conduzida por um anjo, em direcção ao paraíso. Referência, no lado direito, para Santa Cecília, padroeira da música e a Abadia beneditina de Solesmes, onde se desenvolveu o canto gregoriano e cuja biblioteca possuía extraordinárias colecções de manuscritos musicais.

 

Painel 09

MONGES MEDITANDO SOBRE A MORTE DE S. BENTO

O último painel refere a morte de São Bento, anunciada antecipadamente, pelo próprio aos seus discípulos.

Seis dias antes da morte mandou abrir a sepultura. Logo depois, atacado por umas febres, começou a ressentir-se do seu ardor violento. Como a enfermidade se agravava dia a dia, no sexto fez-se conduzir pelos discípulos ao oratório e ali se fortaleceu para a partida deste mundo recebendo o Corpo e o Sangue do Senhor, e apoiando os seus
enfraquecidos membros nos braços dos discípulos, permaneceu de pé com as mãos erguidas para o céu, e exalou o último suspiro entre as palavras da oração. No mesmo dia, dois dos seus discípulos, um que se achava no mosteiro e outro distante dele, tiveram uma mesma e idêntica revelação. Viram um caminho adornado por tapetes e resplandecente de luzes que saía do seu mosteiro e se dirigia directamente para o Céu. Aquele era o caminho pelo qual Bento subiu ao céu. No leito da sua morte Bento deixa evidente que a morte não é o fim, mas o início da acção evangelizadora. Foi sepultado no oratório de S. João Baptista do mosteiro de Montecassino (Itália) e ali resplandece pelos seus milagres até aos dias de hoje, se assim o merecer a fé dos que o invocam.

No centro do painel pode ler-se “Não está aqui. Ressuscitou” (Mat. 28, 6).

Painel 10

tesxt

tasadsad
asda
d
sad
as
da
sd